10 abr. 2010

Depleted Uranium Weapons: The Dead Babies in Iraq and Afghanistan Are No Joke – Uso de armas con uranio empobrecido del ejercito americano – IT - BR

by Dave Lindorff  for Baltimore Chronacle

Originally published in This Can't Be Happening yesterday, 19 October 2009

Warning: a photo accompanying this story is not for the faint hearted

DUbaby

Deformed baby born in post-US Invasion Iraq: DU's legacy?

The deformed and dead babies in Iraq should make us demand a cleanup of Iraq and Afghanistan, medical aid for the victims, and a ban on all depleted uranium weapons.

The horrors of the US Agent Orange defoliation campaign in Vietnam, about which I wrote on Oct. 15, could ultimately be dwarfed by the horrors caused by the depleted uranium weapons which the US began using in the 1991 Gulf War (300 tons), and which it has used much more extensively--and in more urban, populated areas--in the Iraq War and the now intensifying Afghanistan War.

Depleted uranium, despite its rather benign-sounding name, is not depleted of radioactivity or toxicity. The term “depleted” refers only to its being depleted of the U-235 isotope needed for fission reactions in nuclear reactors. The nuclear waste material from nuclear power plants, DU as it is known, is what is removed from the power plants’ spent fuel rods and is essentially composed of the uranium isotope U-238 as well as U-236 (a product of nuclear reactor fission, not found in nature), as well as other trace radioactive elements. Once simply a nuisance for the industry, that still has no permanent way to dispose of the dangerous stuff, it turns out to be an ideal metal for a number of weapons uses, and has been capitalized on by the Pentagon. 1.7 times heavier than lead, and much harder than steel, and with the added property of burning at a super-hot temperature, DU has proven to be an ideal penetrator for warheads that need to pierce thick armor or dense concrete bunkers made of reinforced concrete and steel. Once through the defenses, it burns at a temperature that incinerates anyone inside (which is why we see the carbonized bodies of bodies in the wreckage of Iraqi tanks hit by US fire). Accordingly it has found its way into 30 mm machine gun ammunition, especially that used by the A-10 Warthog ground-attack fighter planes used extensively in Iraq and Afghanistan (as well as Kosovo). It is also the warhead of choice for Abrams tanks and is also reportedly used in GBU-28 and the later GBU-37 bunker buster bombs, each of which can have 1-2 tons of the stuff in its warhead. DU is also used as ballast in cruise missiles, and this burns up when a missile detonates its conventional explosive. Some cruise missiles are also designed to hit hardened targets and reportedly feature DU warheads, as does the AGM-130 air-to-ground missile, which carries a one-ton penetrating warhead. In addition, depleted uranium is used in large quantities in the armor of tanks and other equipment. This material becomes a toxic source of CU pollution when these vehicles are attacked and burned.

While the Pentagon has continued to claim, against all scientific evidence, that there is no hazard posed by depleted uranium, US troops in Iraq have reportedly been instructed to avoid any sites where these weapons have been used—destroyed Iraqi tanks, exploded bunkers, etc.—and to wear masks if they do have to approach. Many torched vehicles have been brought back to the US, where they have been buried in special sites reserved for dangerously contaminated nuclear materials. (Thousands of tons of DU-contaminated sand from Kuwait, polluted with DU during the US destruction of Iraq’s tank forces in the 1991 war, were removed and shipped to a waste site in Idaho last year with little fanfare.) Suspiciously, international health officials have been prevented or obstructed from doing medical studies of DU sites in Iraq and Afghanistan. But an excellent series of articles several years ago by theChristian Science Monitor described how reporters from that newspaper had visited such sites in Iraq with Geiger-counters and had found them to be extremely “hot” with radioactivity.

The big danger with DU is not as a pure metal, but after it has exploded and burned, when the particles of uranium oxide, which are just as radioactive as the pure isotopes, can be inhaled or ingested. Even the smallest particle of uranium in the body is both deadly poisonous as a chemical, and over time can cause cancer—particularly in the lungs, but also the kidneys, testes and ovaries.

There are reports of a dramatic increase in the incidence of deformed babies being born in the city of Fallujah, where DU weapons were in wide use during the November 2004 assault on that city by US Marines. The British TV station SKY UK, in a report last month that has received no mention in any mainstream American news organization, found a marked increase in birth defects at local hospitals. Birth defects have also been high for years in the Basra area in the south of Iraq, where DU was used not just during America’s 2003 “shock and awe” attack on Iraq, but also in the 1991 Gulf War.

Further, a report sent to the UN General Assembly by Dr Nawal Majeed Al-Sammarai, Iraq’s Minister of Women’s Affairs since 2006, stated that in September 2009, Fallujah General Hospital had 170 babies born, 24% of which died within their first week of life. Worse yet, fully 75% of the babies born that month were deformed. This compares to August 2002, six months before the US invasion, when 530 live births were reported with only six dying in the first week, and only one deformity. Clearly something terrible is happening in Fallujah, and many doctors suspect it’s the depleted uranium dust that is permeating the city.

But the real impact of the first heavy use of depleted uranium weaponry in populous urban environments (DU was used widely especially in 2003 in Baghdad, Samara, Mosul and other big Iraqi cities), will come over the years, as the toxic legacy of this latest American war crime begins to show up in rising numbers of cancers, birth defects and other genetic disorders in Iraq and Afghanistan.

Of course, as in the case of Agent Orange in Vietnam, the toxic effects of this latest battlefield use of toxic materials by the US military will also be felt for years to come by the men and women who were sent over to fight America’s latest wars. As with Agent Orange, the Pentagon and the Veterans Affairs Department have been assiduously denying the problem, and have been just as assiduously denying claims by veterans of the Gulf War and the two current wars in Iraq and Afghanistan who claim their cancers and other diseases have anything to do with their exposure to DU.

The record on Agent Orange should lead us to be suspicious of the government’s claims.

The deformed and dead babies in Iraq should make us demand a cleanup of Iraq and Afghanistan, medical aid for the victims, and a ban on all depleted uranium weapons.


 

About the author: Philadelphia journalist Dave Lindorff is a 34-year veteran, an award-winning journalist, a former New York Times contributor, a graduate of the Columbia University Graduate School of Journalism, a two-time Journalism Fulbright Scholar, and the co-author, with Barbara Olshansky, of a well-regarded book on impeachment, The Case for Impeachment. His work is available at www.thiscantbehappening.net.

 

Dave Lindorff por
Publicado originalmente en Esto no puede estar pasando ayer, 19 de octubre 2009
Advertencia: la foto que acompaña esta historia no es para los débiles de corazón

DUbaby

Niños nacidos deformados después de la invasión a Iraq


El deforme y bebés muertos en Irak nos debe hacer una limpieza de la demanda de Irak y Afganistán, la ayuda médica de las víctimas, y la prohibición de todas las armas de uranio empobrecido.
Los horrores de la campaña de EE.UU. defoliación Agente Naranja en Vietnam, sobre la que escribí el 15 de octubre, en última instancia podría ser eclipsada por los horrores causados por las armas de uranio empobrecido que los EE.UU. comenzaron a utilizar en la Guerra del Golfo de 1991 (300 toneladas), y que ha utilizado mucho más ampliamente - y en más urbano, las zonas pobladas - en la guerra de Irak y Afganistán, la intensificación de la guerra ahora.
El uranio empobrecido, a pesar de su nombre más bien benigno-que suena, no se agota de la radiactividad o toxicidad. El término "agotado" se refiere sólo a que sea agotado del isótopo U-235 es necesario para las reacciones de fisión en reactores nucleares. El material de los residuos nucleares de las centrales nucleares, el uranio empobrecido como se le conoce, es lo que se elimina de las barras de las plantas de energía "combustible gastado y se compone esencialmente de los isótopos de uranio U-238, así como U-236 (un producto de reactor nuclear de fisión, que no se encuentra en la naturaleza), así como otra huella radiactiva elementos. Una vez que simplemente una molestia para la industria, que aún no tiene manera permanente para deshacerse de las cosas peligrosas, que resulta ser un metal ideal para una serie de usos de armas, y ha sido aprovechado por el Pentágono. 1,7 veces más pesado que el plomo, y mucho más duro que el acero, y con la característica añadida de la quema a una temperatura muy caliente, el uranio empobrecido ha demostrado ser un penetrador ideal para ojivas que es necesario perforar la armadura gruesa o densa bunkers de concreto de hormigón armado y el acero. Una vez que las defensas, se quema a una temperatura que incinera a nadie en el interior (por eso vemos los cuerpos carbonizados de los cuerpos entre los restos de tanques iraquíes alcanzados por disparos de los EE.UU.). En consecuencia, ha encontrado su camino en 30 milímetros de munición de ametralladora, especialmente la utilizada por los aviones de combate A-10 Warthog de ataque a tierra utilizado ampliamente en Irak y Afganistán (así como en Kosovo). También es el cabeza de guerra de elección de los tanques Abrams y también es utilizado en los informes, GBU-28 y la posterior GBU-37 bombas revienta-búnker, cada uno de los cuales puede tener 1-2 toneladas de las cosas en su cabeza. El uranio empobrecido es también utilizado como lastre en los misiles de crucero, y este se quema cuando un misil detona sus explosivos convencionales. Algunos misiles de crucero también están diseñados para atacar blancos endurecidos y se dice que disponen de ojivas de uranio empobrecido, al igual que el misil AGM-130 aire-suelo, lo que lleva a una penetración de una tonelada de ojivas. Además, el uranio empobrecido se utiliza en grandes cantidades en el blindaje de los tanques y otros equipos. Este material se convierte en una fuente de contaminación tóxica de CU cuando dichos vehículos, son atacados y quemados.
Mientras que el Pentágono ha seguido para reclamar, contra toda evidencia científica, que no hay peligro planteado por el uranio empobrecido, las tropas de EE.UU. en Irak habrían sido instruidos para evitar los sitios donde estas armas se han utilizado tanques iraquíes destruidos-, explotó bunkers, etc .- y del uso de máscaras si tienen de abordar. Muchos vehículos incendiados se han traído de vuelta a los EE.UU., donde han sido enterrados en sitios especiales reservadas a los peligrosamente contaminados materiales nucleares. (En miles de toneladas de DU contaminado con arena de Kuwait, contaminados con uranio empobrecido durante la destrucción EE.UU. de las fuerzas del tanque de Iraq en la guerra de 1991, fueron removidos y enviados a un sitio de desechos en Idaho el año pasado con poca fanfarria.), Sospechosamente, los funcionarios internacionales de salud se ha impedido u obstaculizado de hacer los estudios médicos de los sitios con uranio empobrecido en Iraq y Afganistán. Sin embargo, una excelente serie de artículos de hace varios años por el Christian Science Monitor describió cómo los reporteros de ese periódico había visitado esos sitios en Irak con los contadores Geiger-y había comprobado que son muy "caliente" con la radiactividad.
El gran peligro a la UD no es como un metal puro, pero después de que se ha disparado y quemado, cuando las partículas de óxido de uranio, que son tan radiactivas como los isótopos puros, pueden ser inhaladas o ingeridas. Incluso la más pequeña partícula de uranio en el cuerpo es mortal tanto venenosas como un producto químico, y con el tiempo pueden causar cáncer, particularmente en los pulmones, sino también los riñones, los testículos y los ovarios.
Hay informes de un aumento dramático en la incidencia de niños deformes haber nacido en la ciudad de Faluya, donde las armas de uranio empobrecido fueron de uso generalizado durante el asalto noviembre 2004 en esa ciudad por los Marines EE.UU.. El canal británico Sky Reino Unido, en un informe el mes pasado que no ha recibido ninguna mención en ningún medio de prensa estadounidense convencional, que se encuentra un marcado aumento en los defectos de nacimiento en los hospitales locales. Los defectos de nacimiento también han sido altos durante años en la zona de Basora en el sur de Irak, donde el DU se utiliza no sólo durante el año 2003 los Estados Unidos "conmoción y pavor" contra Iraq, sino también en la Guerra del Golfo de 1991.
Deformada bebé nacido en Estados Unidos después de la invasión de Irak: el legado del uranio empobrecido?
Además, un informe enviado a la Asamblea General de la ONU por el Dr. Nawal Majeed Al-Sammarai, ministro iraquí de Asuntos de la Mujer desde 2006, declaró que en septiembre de 2009, Hospital General de Faluya, con 170 bebés nacidos, 24% de los cuales murieron en su primera semana de vida. Peor aún, un 75% de los niños nacidos ese mes se deforme. Esto se compara con agosto de 2002, seis meses antes de la invasión de EE.UU., cuando 530 nacidos vivos se registraron con sólo seis de morir en la primera semana, y la deformidad sólo uno. Es evidente que algo terrible está ocurriendo en Faluya, y muchos médicos sospechan que es el polvo de uranio empobrecido que está impregnando a la ciudad.
Pero el impacto real del primer uso intensivo de armamento con uranio empobrecido en el populoso entornos urbanos (DU fue usado ampliamente, especialmente en 2003 en Bagdad, Samarra, Mosul y otras grandes ciudades iraquíes), vendrá con los años, como el legado tóxico de esta último crimen de guerra estadounidense comienza a mostrar en un número creciente de cánceres, malformaciones congénitas y otros trastornos genéticos en Irak y Afganistán.
Por supuesto, como en el caso del agente naranja en Vietnam, los efectos tóxicos de este uso último campo de batalla de materiales tóxicos por los militares de EE.UU. también se dejarán sentir durante muchos años por los hombres y mujeres que fueron enviados a través de luchar últimas guerras de Estados Unidos . Al igual que con el Agente Naranja, el Pentágono y el Departamento de Asuntos de Veteranos ha sido asiduamente negar el problema, y han sido tan asiduamente rechazó las alegaciones de los veteranos de la Guerra del Golfo y los dos actuales guerras en Iraq y Afganistán que reclaman sus tipos de cáncer y otras enfermedades han nada que ver con su exposición al uranio empobrecido.
Los datos sobre el agente naranja debe llevarnos a desconfiar de aquellas afirmaciones del gobierno.
El deforme y bebés muertos en Irak nos debe hacer una limpieza de la demanda de Irak y Afganistán, la ayuda médica de las víctimas, y la prohibición de todas las armas de uranio empobrecido.
Sobre el autor: Philadelphia periodista Dave Lindorff es un veterano de 34 años, un periodista premiado, un ex colaborador de Nueva York Times, un graduado de la Universidad de Columbia, Escuela de Graduados de Periodismo, en dos ocasiones al Periodismo Becario Fulbright, y la co autor, junto con Barbara Olshansky, de un libro muy bien recibido en el juicio político, el caso de juicio político. Su trabajo está disponible en www.thiscantbehappening.net.

 

 

da Dave Lindorff
Originariamente pubblicato in questo non può essere successo ieri, 19 Ottobre, 2009
Attenzione: la foto che accompagna questa storia non è per i deboli di cuore

DUbaby

Deformed baby born in post-US Invasion Iraq: DU's legacy?


Il deforme e bambini morti in Iraq dovrebbe farci chiedere una pulizia di Iraq e Afghanistan, assistenza medica per le vittime, e il divieto di tutte le armi all'uranio impoverito.
Gli orrori della campagna statunitense defogliazione Agent Orange in Vietnam, di cui ho scritto il 15 ottobre, potrebbe infine essere sminuito dagli orrori causati dalle armi all'uranio impoverito che gli USA ha iniziato ad usare nella guerra del Golfo del 1991 (300 tonnellate), e che essa ha utilizzato molto più diffusamente - e in più aree urbane, popolate - in guerra in Iraq e la guerra in Afghanistan ora intensificando.
Uranio impoverito, nonostante il suo nome dal suono piuttosto benigno, non è impoverito di radioattività o di tossicità. Il termine "impoverito" si riferisce solo al suo essere impoverito dell'isotopo U-235 necessaria per le reazioni di fissione in reattori nucleari. I rifiuti nucleari provenienti da impianti nucleari, DU, come è noto, è ciò che viene rimosso da barre di combustibile esaurito le centrali elettriche 'ed è composta essenzialmente da l'isotopo di uranio U-238 ma anche dalla U-236 (un prodotto della reattore nucleare elementi di fissione, non si trovano in natura), così come altre tracce radioattive. Una volta semplicemente un fastidio per l'industria, che ha ancora nessun modo permanente a smaltire il materiale pericoloso, si scopre di essere un metallo ideale per uno degli usi armi number, and è stato capitalizzato sul da parte del Pentagono. 1,7 volte più pesante di piombo, e molto più duro dell'acciaio, e con la proprietà aggiunta di bruciare ad una temperatura super-caldo, DU ha dimostrato di essere un penetratore ideale for testate che hanno bisogno di perforare corazze spesse o denso bunker di cemento armato di cemento armato e acciaio. Una volta che le difese, brucia ad una temperatura che incenerisce dentro nessuno (ecco perché noi vediamo i corpi carbonizzati di corpi tra i rottami di carri armati iracheni colpiti dal fuoco degli Stati Uniti). Di conseguenza essa ha trovato la sua strada in 30 millimetri munizioni mitragliatrice, in particolare quella utilizzata dalla A-10 Warthog aerei da caccia da attacco al suolo ampiamente usate in Iraq e in Afghanistan (così come il Kosovo). E 'anche la testata di scelta per i carri armati Abrams e' anche riferito utilizzato in GBU-28 e poi le bombe GBU-37 bunker buster, ognuno dei quali può avere 1-2 tonnellate di roba nella sua testata. Il DU è anche usato come zavorra nelle missili da crociera, e questo brucia quando un missile fa esplodere il suo esplosivo convenzionale. Alcuni missili da crociera sono inoltre progettati per colpire bersagli corazzati e secondo come riferito funzionalità testate all'uranio impoverito, così come il missile AGM-130 aria-terra, che trasporta un una tonnellata penetrante testata. Inoltre, l'uranio impoverito viene usato in grandi quantità nella corazza dei carri armati e altre attrezzature. Questo materiale diventa una fonte di inquinamento tossico CU quando tali veicoli sono attaccati e bruciati.
Mentre il Pentagono ha continuato a rivendicare, contro ogni evidenza scientifica, che non vi è alcun rischio connessi all'uranio impoverito, le truppe statunitensi in Iraq hanno riferito ricevuto istruzioni di evitare eventuali siti dove queste armi sono state usate, carri armati iracheni distrutti, esplosi bunker, ecc .- e di indossare le maschere se si dispone di approccio. Molti veicoli incendiati sono stati riportati negli Stati Uniti, dove sono stati sepolti in luoghi speciali riservati agli pericolosamente contaminati materiali nucleari. (Migliaia di tonnellate di DU-contaminati sabbia dal Kuwait, inquinati con DU durante la distruzione degli Stati Uniti delle forze irachene carro armato durante la guerra del 1991, sono stati rimossi e spediti in una discarica di rifiuti in Idaho l'anno scorso con fanfara poco). Sospettoso, i funzionari della sanità internazionale è stato impedito o ostacolato da fare studi di medicina di siti di DU in Iraq e in Afghanistan. Ma una serie eccellente di articoli di diversi anni fa da Christian Science Monitor descriveva come giornalisti di quel giornale aveva visitato questi siti in Iraq con i contatori Geiger-e aveva scoperto che sono estremamente èalivello alto radioattività.
Il pericolo grande con DU non è un metallo puro, ma dopo che è esplosa e bruciato, quando le particelle di ossido di uranio, che sono proprio come gli isotopi radioattivi puri, possono essere inalati o ingeriti. Anche la più piccola particella di uranio nel corpo è sia velenoso mortale come una sostanza chimica, e col tempo può provocare il cancro-soprattutto nei polmoni, ma anche i reni, testicoli e nelle ovaie.
Si ha notizia di un drammatico aumento di incidenza di neonati deformi essere nato nella città di Fallujah, dove le armi all'uranio impoverito sono state ampiamente utilizzato durante l'assalto del novembre 2004 in quella città da parte dei Marines degli Stati Uniti. Gli inglesi stazione TV SKY UK, in un rapporto il mese scorso che non ha ricevuto alcuna menzione, in ogni organizzazione americana di notizie mainstream, ha trovato un notevole aumento difetti di nascita in ospedali locali. i difetti di nascita sono stati elevati da anni nella zona di Bassora, nel sud dell'Iraq, dove DU è stato utilizzato non solo durante l'America del 2003 di "colpisci e terrorizza" contro l'Iraq, ma anche nella Guerra del Golfo del 1991.
Deformato bambino nato in post-US invasione dell'Iraq: l'eredità del DU?
Inoltre, una relazione inviata al generale delle Nazioni Unite dal Dr. Nawal Majeed al-Sammarai, Iraq il ministro degli Affari femminili dal 2006, ha dichiarato che nel mese di settembre 2009, Fallujah General Hospital aveva 170 bambini nati, il 24% dei quali sono morti entro la prima settimana di la vita. Peggio ancora, tutto il 75% dei bambini nati quel mese sono stati deformati. Questo si raffronta ad agosto 2002, sei mesi prima dell'invasione americana, quando 530 nati vivi sono stati segnalati con solo sei morente nella prima settimana, e solo una deformità. Evidentemente qualcosa di terribile sta accadendo a Falluja, e molti medici sospettano è la polvere di uranio impoverito che sta permeando la città.
Ma l'impatto reale del primo uso pesante di armi con uranio impoverito in popoloso ambienti civili (uranio impoverito è stato utilizzato ampiamente nel 2003, soprattutto a Baghdad, Samara, Mosul e in altre grandi città irachene), arriverà nel corso degli anni, come l'eredità tossica di questo ultimo crimine di guerra americano comincia a mostrare nel crescente numero di tumori, difetti congeniti e delle altre malattie genetiche in Iraq e in Afghanistan.
Naturalmente, come nel caso di Agent Orange in Vietnam, gli effetti tossici di tale uso più recente campo di battaglia di materiali tossici dai militari americani si sentiranno anche negli anni a venire dagli uomini e dalle donne che hanno mandato a combattere America ultime guerre . Come nel caso di Agent Orange, il Pentagono e il Dipartimento per gli Affari dei veterani sono stati assiduamente negare il problema, e sono stati altrettanto assiduamente negare richieste di risarcimento da veterani della Guerra del Golfo e le due guerre in Iraq e in Afghanistan che sostengono i loro cancri e altre malattie sono nulla a che fare con la loro esposizione al DU.
Il record di Agent Orange dovrebbe indurci a diffidare delle indicazioni del governo.
Il deforme e bambini morti in Iraq dovrebbe farci chiedere una pulizia di Iraq e Afghanistan, assistenza medica per le vittime, e il divieto di tutte le armi all'uranio impoverito.
L'autore: Philadelphia giornalista Dave Lindorff è un veterano di 34 anni, un giornalista premiato, un ex collaboratore New York Times, laureato alla Columbia University Graduate School of Journalism, una due volte Giornalismo Fulbright Scholar, e la co -autore, insieme a Barbara Olshansky, di un libro ben considerata a impeachment, The Case for Impeachment. I suoi lavori sono disponibili sul www.thiscantbehappening.net.

 

por Dave Lindorff
Originalmente publicado em Isto não pode estar acontecendo ontem, 19 de outubro de 2009
Atenção: a foto que acompanha esta história não é para o fraco hearted
Os bebês deformados e mortos no Iraque devem fazer-nos exigir uma limpeza do Iraque e Afeganistão, a ajuda médica para as vítimas, e uma proibição de todas as armas de urânio empobrecido.
Os horrores da campanha desfolha E.U. agente laranja no Vietnã, sobre o qual eu escrevi em 15 de outubro, pôde finalmente ser diminuído pelos horrores causados pelas armas de urânio empobrecido que os E.U. começou a usar na Guerra do Golfo 1991 (300 toneladas), e que tem usado mais amplamente - e em mais urbanas, áreas povoadas - na Guerra do Iraque e do Afeganistão agora intensificando Guerra.
O urânio empobrecido, apesar de seu nome bastante benigno-som, não se esgota de radioactividade ou toxicidade. O termo "empobrecido", refere-se apenas a declarar a sua empobrecido do isótopo U-235 necessários para as reações de fissão em reatores nucleares. Os resíduos nucleares de centrais nucleares, o urânio empobrecido, como é conhecido, é o que é retirado das hastes das plantas do poder "do combustível irradiado e é essencialmente composto de isótopos de urânio U-238, bem como U-236 (um produto do reator nuclear fissão, não encontrado na natureza), bem como outros traços de elementos radioativos. Uma vez que simplesmente um incômodo para a indústria, que ainda não tem nenhuma forma permanente para eliminar o material perigoso, acaba por ser um metal ideal para uma série de usos de armas, e tem sido aproveitado pelo Pentágono. 1,7 vezes mais pesado do que chumbo, e muito mais difícil do que o aço, e com a propriedade adicional de queima a uma temperatura super-quente, DU tem provado ser um penetrador ideal para ogivas que precisam perfurar armadura espessa ou densa bunkers de concreto de concreto armado e do aço. Depois de atravessar as defesas, ele queima a uma temperatura que incinera dentro de qualquer um (que é por isso que vemos os corpos carbonizados de corpos nos destroços de tanques iraquianos atingidos por fogo E.U.). Assim que encontrou o seu caminho em 30 milímetros munições para armas de máquina, principalmente os utilizados pela A-10 Warthog aviões de ataque ao solo lutador amplamente utilizado no Iraque e no Afeganistão (assim como no Kosovo). É também a ogiva de escolha para os tanques Abrams e é também referido no GBU-28 e depois bombas GBU-37 bunker buster, cada um dos quais pode ter 1-2 toneladas de material em sua ogiva. DU também é usado como lastro em mísseis de cruzeiro, e isso queima quando um míssil explodir o seu explosivo convencional. Alguns mísseis de cruzeiro também são projetados para atingir alvos endurecido e declaradamente recurso ogivas com urânio empobrecido, como faz o míssil AGM-130 ar-terra, que transporta uma tonelada de penetração do projétil. Além disso, o urânio empobrecido é usado em grandes quantidades na blindagem de tanques e outros equipamentos. Este material se torna uma fonte de poluição tóxica CU quando estes veículos são atacados e queimados.
Embora o Pentágono continua a afirmar, contra toda a evidência científica, que não há perigo representado pelo urânio empobrecido, E.U. tropas no Iraque teria sido instruído a evitar os locais onde essas armas foram usadas destruído tanques iraquianos, explodiu bunkers, etc .- e da utilização de máscaras, se eles têm a abordagem. Muitos veículos incendiados foram trazidos de volta para os E.U., onde foram enterrados em locais especiais, reservados para materiais contaminados perigosamente nuclear. (Milhares de toneladas de DU-areia contaminada do Kuwait, contaminados com urânio empobrecido durante a destruição E.U. das forças do Iraque tanque na guerra de 1991, foram retirados e enviados para um aterro em Idaho ano passado, com pouco alarde.) Suspiciously internacional, agentes de saúde ter sido evitado ou impedido de fazer estudos de medicina de sites DU no Iraque e no Afeganistão. Mas uma excelente série de artigos há alguns anos por Christian Science Monitor descreveu como repórteres de jornal que tinha visitado tais locais no Iraque com contadores Geiger-los e encontrou-se extremamente "quente" com radioatividade.
O grande perigo com urânio empobrecido não é como um metal puro, mas depois ele explodiu e queimou, quando as partículas de óxido de urânio, que são tão radioactivos como os isótopos puros, podem ser inalados ou ingeridos. Mesmo a menor partícula de urânio no corpo é tanto veneno mortal como um produto químico, e com o tempo pode causar câncer, particularmente nos pulmões, mas também os rins, testículos e ovários.
Há relatos de um aumento dramático na incidência de bebês deformados nascer na cidade de Fallujah, onde as armas com urânio empobrecido foram largamente utilizado durante o assalto de Novembro de 2004 naquela cidade por E.U. Marines. A estação de televisão britânica Sky no Reino Unido, em um relatório no mês passado que não recebeu nenhuma menção em qualquer organização de notícias mainstream norte-americano, encontrou um acentuado aumento nos defeitos de nascimento nos hospitais locais. Os defeitos congênitos também foram elevados por anos na área de Basra, no sul do Iraque, onde DU não foi utilizado apenas em 2003 America's "choque e pavor" ataque ao Iraque, mas também na Guerra do Golfo 1991.
Deformado bebê nascido no Iraque pós-invasão americana: o legado de DU?
Além disso, um relatório enviado à Assembléia Geral da ONU pelo Dr. Nawal Majeed Al-Sammarai, o ministro iraquiano de Assuntos da Mulher, desde 2006, afirmou que em setembro de 2009, Fallujah Hospital Geral, com 170 bebês nascidos, 24% dos que morreram em sua primeira semana de a vida. Pior ainda, integralmente 75% dos bebês nascidos naquele mês foram deformados. Isso se compara a agosto de 2002, seis meses antes da invasão E.U., quando 530 nascimentos foram relatados, com apenas seis morrem na primeira semana, e apenas uma deformidade. É evidente que algo terrível está acontecendo em Fallujah, e muitos médicos suspeitam que é o pó de urânio empobrecido que está permeando a cidade.
Mas o impacto real do primeiro uso pesado de armas de urânio empobrecido no populoso ambientes urbanos (DU foi amplamente utilizado, especialmente em 2003, em Bagdá, Samara, Mosul e outras grandes cidades iraquianas), virá ao longo dos anos, como o legado tóxico do presente crime mais recente guerra americana começa a mostrar-se um aumento do número de cancros, malformações congênitas e outras doenças genéticas no Iraque e no Afeganistão.
Claro que, como no caso do agente laranja no Vietnã, os efeitos tóxicos do uso mais recente campo de batalha de materiais tóxicos pelos militares E.U. também será sentida por muitos anos por homens e mulheres que foram enviados para combater as últimas guerras dos EUA . Tal como acontece com o Agente Laranja, o Pentágono eo Departamento de Assuntos dos Veteranos foram assiduamente negando o problema, e ter sido tão assiduamente negar reivindicações por veteranos da Guerra do Golfo e as duas guerras em curso no Iraque e no Afeganistão que reivindicam seus cancros e outras doenças nada a ver com a sua exposição ao urânio empobrecido.
O registro sobre o agente laranja nos deve levar a desconfiar de créditos do governo.
Os bebês deformados e mortos no Iraque devem fazer-nos exigir uma limpeza do Iraque e Afeganistão, a ajuda médica para as vítimas, e uma proibição de todas as armas de urânio empobrecido.
Sobre o autor: O jornalista Dave Lindorff Philadelphia é um veterano de 34 anos, uma jornalista premiada, ex-New York Times contribuinte, uma pós-graduação da Universidade Columbia Graduate School of Journalism, uma duas vezes Jornalismo Fulbright Scholar e co -autor, com Barbara Olshansky, de um livro bem-visto em impeachment, o processo de impeachment. Seu trabalho está disponível no www.thiscantbehappening.net .

 

 

No hay comentarios:

Publicar un comentario