14 ene. 2010

I SMILE BY FARIBA SAFAI – PERFORMED AT NEW YORK

This poem is dedicated to the beautiful and brave people of Iran young and old rich and poor
I Smile-
By Fariba Safai
I smile as I feel my lonely heart parched from a sea of green I smile
I smile as I walk the mountain of apathy to crate a tiny crack that I would tear open only if I could only if I could with my saber of love draped in black and green, I declare myself look at me I need you and you need me too I smile
I smile at your incomprehension your fear your pity and your sympathy I smile
I smile knowing that you cannot see we are one of the same flesh and blood veins I smile
I smile when you walk with me and say that you care yet frustrated by the unknown I smile
I smile for I wish I could tell you that you will never know and we will die not knowing I smile
I smile as I think of those beautiful young blossoms that are perishing as I write in hopes of capturing their brave hearts I smile
I smile knowing they are kept in dungeons were tortured is inflicted to render the sprite dead and if that is not enough, hung like lambs from light posts dangling by their necks

I smile through my tears for the human struggle for self-liberty and freedom from tyranny I smile
I smile for I know the color of freedom is not always red white and blue I smile.
I smile listing as the bay speaks to me in code beating against the dark gray boulders holding it back from me and me from it I smile
I smile oh how I wish I could wash away all the hurt and sorrows from sea to shining sea and dry it out on ropes made from laurel tolerant and evergreen I smile
I smile as I see words written clearly on a black board carved in red held up by an empty frame I smile
I smile as I hear the anthem of our struggles beating in my head wishing I could be there singing it with you I smile
I smile knowing that same words are song for miles and miles across rooftops Ala O Akbar Ala O Akbar Ala O Akbar Ala O Akbar in the city of my childhood where houses were white and the smell of jasmine filled the air, now replaced by the stench of your weapons of tears I smile
I smile knowing when you are hit by the bullets that pierce through your golden brown skin the same skin that every mourning you covered with shirts made in china with American logos I smile
I smile as you fall to the ground holding my hand with your last breath you whisper
I am human
I am human
My religion is love
I am human I smile
I smile as I promise you will not die in vein I smile
I smile knowing that even in death your mother can not speak your name or morn for your loss, that is the price she will have to pay I smile
I smile when I know of loved ones addicted to sheesheh wow sheesheh I smile
I smile knowing those who hide under turbans that they have dipped in blood and hatred for all that is alive, colorful, hopeful, lyrical and beautiful I smile
I smile at your agents of fear and pain as I scream Islam means peace not war I smile
I smile knowing of your attempt to rewrite history hundred and hundreds years past with pens that you use to stab through the hearts of mothers the same mothers that gave you birth in that pit of despair I smile
I smile for I know this mooje of love you cannot stand in the way of for it is even bigger then you can ever comprehend or imagine I smile
I smile and scream shame on you for killing your children your mothers your father’s shame on you for striking them with sticks that you sharply carved to insert suffering I smile
I smile as pain reels through my spine I smile for I know my pain is nothing in comparison with you burden
I feel pain
It feels good I smile
I smile for the generation of young whom only have the morsels left to them from your greed your ignorance and intolerance that they must bear, I smile
I smile and call you out for what you are a cheater a liar a butchers with chains, chains that they must break with bare empty delicate virgin hands wounded and forgotten as to rip apart and bring down your Iron curtains of oppression I smile
I smile and write with fingers bound by ribbons of brotherhood of man remembering I was you 30 years past I smile
I smile for the soul that has forsaken itself I smile
I smile screaming Darius, Cyrus, Khayyam, Rumi, Hafez, Ferdosee, Farokhzad where are you to see your children are falling like butterfly’s shot by the hands of their brothers I smile
I smile as their guns pluck the beautiful flowers of your Golestan Sadi, sacrificed in the name of God I smile
I smile and scream, what God who’s God kills, let alone its own.
If the right to choose ones own destiny is so much to ask for then I reject your God and I still smile.
I smile for I see clearly as one can see through water that the day will come when the love worriers will join hands once again in celebration and songs will be heard from the streets were once red tulips laid and the nightingale will fly free from its cage once again.
For we are the lions and the sun is behind us.
I Smile-
By Fariba Safai

********************************************************

 

Yo sonrío cuando yo siento mi solo corazón resecado de un mar de verde que yo sonrío 
Yo sonrío cuando yo paseo la montaña de apatía a la canasta un crujido diminuto que yo rasgaría que sólo abre si yo sólo pude si yo pude con mi sable de amor cubierto con ropajes en el negro y verde, yo declaro yo me miro yo lo necesito y usted me necesita también yo sonrío 
Yo sonrío a su incomprensión su miedo su piedad y su simpatía que yo sonrío 
Yo sonrío, mientras sabiendo que usted no puede ver que nosotros somos uno de las mismas carnes y las venas de sangres que yo sonrío 
Yo sonrío cuando usted camina conmigo y dice que usted cuida frustrado por el desconocido que yo sonrío todavía 
Yo sonrío porque yo deseo que yo pudiera decirle que usted nunca sabrá y nosotros nos moriremos, mientras no sabiendo que yo sonrío 
Yo sonrío que cuando yo pienso en esas lozanías jóvenes bonitas que están pereciendo que cuando yo escribo en las esperanzas de capturar sus corazones valientes que yo sonrío 
Yo sonrío, mientras sabiendo que ellos se guardan en los calabozos se torturó se inflige para dar el muerto del duende y si eso no es bastante, colgado como los corderos de postes de luz que hacen balancear en el aire por sus cuellos, 
Yo sonrío a través de mis lágrimas para el forcejeo humano para mismo-libertad y libertad de la tiranía yo sonrío 
Yo sonrío porque yo sé que el color de libertad no siempre es rojo blanco y azula yo sonrío. 
Yo sonrío, mientras listando como la bahía me habla en la paliza del código contra los cantos rodados grises oscuros que lo ocultan a mí y mí de él que yo sonrío 
Yo sonrío oh cómo yo deseo que yo pudiera lavar toda la herida y dolores lejos del mar al mar brillante y podría secarlo fuera en sogas hechas del laurel tolerante y de hoja perenne que yo sonrío 
Yo sonrío cuando yo veo palabras escritas claramente en una tabla negra tallada en red se retrasada por un marco vacío que yo sonrío 
Yo sonrío cuando yo oigo el himno de nuestros forcejeos que pegan mi deseando de cabeza que yo podría ser cantándolo allí con usted yo sonrío 
Yo sonrío, mientras sabiendo que las mismas palabras son la canción para las millas y millas por las azoteas Ala O Akbar Ala O Akbar Ala O Akbar Ala O Akbar en la ciudad de mi niñez dónde las casas eran blancas y el olor de jazmín llenó el aire, ahora reemplazado por el hedor de sus armas de lágrimas que yo sonrío, 
Yo sonrío, mientras sabiendo cuando usted se pega por las balas que agujerean a través de su piel castaña dorada la misma piel que cada luto que usted cubrió con camisas hechas en la loza con logotipos americanos que yo sonrío 
Yo sonrío como usted caígase a la tenencia molida mi mano con su última respiración usted el cuchicheo 
Yo soy humano 
Yo soy humano 
Mi religión es el amor 
Yo soy humano que yo sonrío 
Yo sonrío que cuando yo prometo que usted no se morirá en la vena que yo sonrío 
Yo sonrío, mientras sabiendo que incluso en la muerte su madre no puede hablar su nombre o mañana para su pérdida que es el precio que ella tendrá que pagar que yo sonrío 
Yo sonrío cuando yo conozco amado entregado al sheesheh estupendo sheesheh que yo sonrío 
Yo sonrío, mientras sabiendo aquéllos que esconden bajo turbantes en que ellos se han zambullido sangre y odio para todos que están vivos, vívidos, esperanzados, líricos y bonitos yo sonrío 
Yo sonrío a sus agentes de miedo y duelo cuando yo grito que Islam quiere decir paz no guerree yo sonrío 
Yo sonrío, mientras conociendo su esfuerzo por volver a escribir la historia ciento y ciento pasado de los años con plumas que usted usa para apuñalar a través de los corazones de madres las mismas madres que lo dieron a luz en ese hoyo de desesperación que yo sonrío 
Yo sonrío porque yo sé este mooje de amor que usted no puede representar de la manera de lo es entonces aun más grande usted puede comprender en la vida o puede imaginar yo sonrío 
Yo sonrío y vergüenza del grito en usted por matar a sus niños sus madres la vergüenza de su padre en usted por golpearlos con ramitas que usted talló para insertar sufriendo grandemente yo sonrío 
Yo sonrío como las bobinas de dolor a través de mi espina que yo sonrío porque yo sé que mi dolor es nada comparado con usted la carga 
Yo siento el dolor 
Se siente bien que yo sonría 
Yo sólo sonrío para la generación de joven quien tienen los pedacitos dejados a ellos de su codicia su ignorancia e intolerancia que ellos deben llevar, yo sonrío 
Yo sonrío y lo convoco para lo que usted es un timador un mentiroso un carniceros con las cadenas, cadenas que ellos deben romper con la virgen delicada vacía desnuda dan herido y se olvidadas separadamente acerca de la rasgadura y derrumba sus cortinas Férricas de opresión que yo sonrío 
Yo sonrío y escribo con dedos limitados por las cintas de hermandad de hombre que recuerda que yo era usted 30 pasado de los años que yo sonrío 
Yo sonrío para el alma que se ha desamparado que yo sonrío 
Yo sonrío Darius chillón, Cyrus, Khayyam, Rumi, Hafez, Ferdosee, que Farokhzad dónde son usted ver a sus niños están quedándose como el tiro de mariposa por las manos de sus hermanos que yo sonrío, 
Yo sonrío como sus armas tire las flores bonitas de su Golestan Sadi, sacrificadas en el nombre de Dios que yo sonrío, 
Yo sonrío y grito, lo que Dios que es Dios mata, permita exclusivamente su propio. 
Si el derecho escoja el ones el propio destino es tanto pedirme entonces rechace su Dios y yo todavía sonrío. 
Yo sonrío porque yo veo claramente como uno puede ver a través del agua que el día vendrá que cuando los aprensivo de amor unirán las manos una vez más en la celebración y canciones se tendrá noticias de las calles era una vez tulipanes rojos puestos y el ruiseñor volará gratuitamente una vez más de su jaula. 
Porque nosotros somos los leones y el sol está detrás de nosotros. 
Yo Sonrío - 
Por Fariba Safai 

***********************************************************************************************

Io sorrido come io sento il mio cuore solitario bruciato da un mare di verde che io sorrido 
Io sorrido quando camino la montagna dell'apatia per imballare una fessura piccola che io lacererei apre solamente se io potessi solamente se io potessi con la mia sciabola di amore drappeggiata in nero e verde, io dichiaro io guardo a me io ho bisogno di Lei e Lei ha bisogno di me anche io sorrido 
Io sorrido alla Sua incomprensione la Sua paura la Sua pietà e la Sua comprensione che io sorrido 
Io sorrido sapendo che Lei non può vedere noi siamo una della carne stessa e sangue venare io sorrido 
Io sorrido quando Lei cammina con me e dice che Lei cura ancora frustrato dall'ignoto io sorrido 
Io sorrido per io desidero che io potessi dirgli che Lei non saprà mai e noi morremo non sapendo io sorrido 
Io sorrido come io penso a quelli fiori giovani e belli che stanno perendo come io scrivo nelle speranze di catturare i loro cuori coraggiosi io sorrido 
Io sorrido sapendo loro sono tenuti in prigioni sotterranee fu torturato è inflitto per rendere il folletto morto e se ovvero abbastanza, appese come agnelli da posti di luce che penzolano dai loro colli 
Io sorrido attraverso le mie ferite lacere per la lotta umana per la stesso-libertà e la libertà da tirannia che io sorrido 
Io sorrido per io so il colore della libertà non è bianco rosso sempre ed azzurra io sorrido. 
Io sorrido elencando come la baia mi parla in bastonata di codice contro i ciottoli grigi e scuri che lo tengono di nuovo da me e me da lui che io sorrido 
Io sorrido oh come io desidero che io potessi lavare via tutto il male ed i dolori da mare a mare brillante e potrei asciugarlo fuori su corde fatte da corona d'alloro tollerante e sempreverde che io sorrido 
Io sorrido come io vedo parole chiaramente scritte su un asse nero intagliato in rosso tenuto su da una cornice vuota che io sorrido 
Io sorrido come io sento l'antifona delle nostre lotte che colpiscono nella mia testa che desidera che io potessi stare cantandlo con Lei là io sorrido 
Io sorrido sapendo che parole stesse sono canzone per miglia e miglia attraverso rooftops Ala O Akbar Ala O Akbar Ala O Akbar Ala O Akbar nella città della mia infanzia dove erano bianche case e l'odorato di gelsomino riempì l'aria, ora sostituita dal puzzo delle Sue arma di ferite lacere che io sorrido 
Io sorrido sapendo quando Lei è colpito dalle pallottole che forano attraverso la Sua pelle marrone e dorata la pelle stessa che ogni lutto che Lei ha coperto con camicie fatte in vasellame con logotipi americani che io sorrido 
Io sorrido come Lei cada alla partecipazione azionaria macinata la mia mano col Suo ultimo alito che Lei bisbiglia 
Io sono umano 
Io sono umano 
La mia religione è amore 
Io sono umano io sorrido 
Io sorrido come io prometto Lei non morrà in vena che io sorrido 
Io sorrido sapendo che pari in morte Sua madre non può parlare il Suo nome o mattino per la Sua perdita che è il prezzo lei deve pagare io sorrido 
Io sorrido quando io so di uni amati assuefatto a sheesheh di wow di sheesheh io sorrido 
Io sorrido sapendo quelli che nascondono sotto turbanti che loro hanno bagnato in sangue ed odio per tutti che sono vivi, coloriti, pieni di speranza, lirici e begli io sorrido 
Io sorrido ai Suoi agenti di paura ed addoloro come io grido Islam non intende la pace guerra che io sorrido 
Io sorrido sapendo del Suo tentativo a rimaneggiamento storia cento ed anni di centinaio passato con penne che Lei usa per pugnalare attraverso i cuori di madri le madri stesse che gli hanno partorito in quella buca della disperazione io sorrido 
Io sorrido per io conosco questo mooje di amore Lei non può stare in piedi nel modo di per lui è anche poi più grande Lei mai può comprendere o può immaginare io sorrido 
Io sorrido e grido la vergogna su Lei per uccidere i Suoi bambini le Sue madri la vergogna di Suo padre su Lei per colpirli con bastoni che Lei ha intagliato bruscamente inserire la sofferenza io sorrido 
Io sorrido come bobine di dolore attraverso la mia spina dorsale che io sorrido per io so che il mio dolore non è nulla rispetto con Lei carico 
Io sento il dolore 
È bello io sorrido 
Io sorrido solamente per la generazione di giovane chi hanno i bocconi andati via a loro dalla Sua avidità la Sua ignoranza e l'intolleranza che loro devono nascere, io sorrido 
Io sorrido e La mando a chiamare fuori quello che Lei è un imbroglione un bugiardo un macellai con catene, catene che loro devono rompere con mani di vergine delicate vuote e nude ferirono e dimenticate come per lacerare separatamente ed abbattere il Suo Ferro provvede di tende di oppressione che io sorrido 
Io sorrido e scrivo con dita limitate da nastri della fratellanza di uomo che ricorda che io ero Lei 30 anni passato io sorrido 
Io sorrido per l'anima che ha desolato esso che io sorrido 
Io sorrido Darius strillante, Cyrus Khayyam, Rumi Hafez, Ferdosee Farokhzad dove è Lei per vedere i Suoi bambini sta cadendo come il colpo di farfalla dalle mani dei loro fratelli che io sorrido 
Io sorrido come le loro pistole strappi i fiori belli del Suo Golestan Sadi, sacrificati nel nome di Dio che io sorrido 
Io sorrido e grido, quello che uccide Dio che è Dio, lasci da solo suo proprio. 
Se il diritto per scegliere uni destino proprio così molto deve chiedere di poi me rifiuti il Suo Dio ed io ancora sorrido. 
Io sorrido per io chiaramente vedo come uno può vedere attraverso acqua che il giorno verrà quando i chi si preoccupa spesso di amore ancora una volta congiungeranno mani in celebrazione e canzoni sarà parlato alle strade era una volta tulipani rossi posati e l'usignolo volerà gratuitamente ancora una volta dalla sua gabbia. 
Per noi siamo i leoni ed il sole è dietro a noi. 
Io Sorrido - 
Di Fariba Safai 

******************************************************************

 

Eu sorrio como eu sinto meu coração só tostado de um mar de verde que eu sorrio   
Eu sorrio como eu caminho a montanha de apatia a engradado uma racha minúscula que eu só rasgaria aberto se eu só pudesse se eu pudesse com meu saber de amor drapejado em preto e verde, eu me declaro olhar a mim eu preciso de você e você me precisa também eu sorrio   
Eu sorrio a sua incompreensão seu medo sua piedade e sua condolência que eu sorrio   
Eu sorrio, enquanto sabendo que você não pode ver que nós somos um da mesma carne e sangue marmoreia eu sorrio   
Eu sorrio quando você caminhar comigo e diz que você ainda se preocupa frustrada pelo desconhecido que eu sorrio   
Eu sorrio porque eu desejo que eu pudesse lhe falar que você nunca saberá e nós morreremos, enquanto não sabendo que eu sorrio   
Eu sorrio como eu penso nessas flores jovens bonitas que estão perecendo que como eu escrevo em esperanças de capturar os corações valentes deles/delas que eu sorrio   
Eu sorrio, enquanto sabendo que eles são mantidos em calabouços foi torturada é infligida para fazer o morto de duende e se quer dizer não bastante, pendurou como cordeiros de postes de luz que oscilam pelos pescoços deles/delas   
Eu sorrio por minhas lágrimas para a luta humana para ego-liberdade e liberdade de tirania que eu sorrio   
Eu sorrio porque eu sei a cor de liberdade sempre não é nenhum branco vermelho e azula eu sorrio.   
Eu sorrio, enquanto listando como a baía fala comigo em batida de código contra os pedregulhos cinzas escuros que ocultam isto a mim e mim disto que eu sorrio   
Eu sorrio oh como eu desejo que eu pudesse lavar toda a lesão e tristezas fora de mar para lustrar mar e poderia secar isto em cordas feitas de loureiro tolerante e perene que eu sorrio   
Eu sorrio como eu vejo palavras escritas claramente em uma tábua preta esculpida dentro vermelho se atrasada por uma armação vazia que eu sorrio   
Eu sorrio como eu ouço o hino de nossas lutas batendo meu desejando de cabeça que eu poderia ser cantando isto lá com você eu sorrio   
Eu sorrio, enquanto sabendo que mesmas palavras estão canção para milhas e milhas do outro lado de telhados Ala O Akbar Ala O Akbar Ala O Akbar Ala O Akbar na cidade de minha infância onde casas eram brancas e o cheiro de jasmim encheu o ar, agora substituído pelo fedor de suas armas de lágrimas que eu sorrio,   
Eu sorrio, enquanto sabendo quando você é batido pelas balas que perfuram por sua pele marrom dourada a mesma pele que todo luto que você cobriu com camisas feitas em porcelana com logotipos americanos que eu sorrio   
Eu sorrio como você caia à propriedade de chão minha mão com sua última respiração você sussurro   
Eu sou humano   
Eu sou humano   
Minha religião é amor   
Eu sou humano eu sorrio   
Eu sorrio como prometo eu que você não morrerá em veia que eu sorrio   
Eu sorrio, enquanto sabendo que até mesmo em morte sua mãe não pode falar seu nome ou manhã para sua perda que é o preço que ela terá que pagar eu sorrio   
Eu sorrio quando eu conheço familiares viciado a sheesheh emocione sheesheh que eu sorrio   
Eu sorrio, enquanto sabendo esses que escondem debaixo de turbantes que eles imergiram em sangue e ódio por tudo aquilo está vivo, colorido, esperançoso, lírico e bonito que eu sorrio   
Eu sorrio a seus agentes de medo e como grito eu que o Islã não quer dizer paz guerra que eu sorrio   
Eu sorrio, enquanto conhecendo sua tentativa para reescrever história cem e anos de centenas passado com canetas que você usa para apunhalar pelos corações de mães as mesmas mães que lhe deram à luz naquela cova de desespero que eu sorrio   
Eu sorrio porque eu sei este mooje de amor que você não pode agüentar do modo disto é então até maior você já pode compreender ou pode imaginar eu sorrio   
Eu sorrio e vergonha de grito em você por matar suas crianças suas mães a vergonha de seu pai em você pelos golpear com varas que você esculpiu para inserir sofrimento nitidamente eu sorrio   
Eu sorrio como carretéis de dor por minha espinha eu sorrio porque eu sei que minha dor não é em comparação nada com você fardo   
Eu sinto dor   
Sente bem eu sorrio   
Eu só sorrio para a geração de jovem quem têm os bocados deixados a eles de sua ganância sua ignorância e intolerância que eles têm que agüentar, eu sorrio   
Eu sorrio e o convoco para o que você é um trapaceiro um mentiroso uns açougueiros com cadeias, cadeias que eles têm que quebrar com virgem delicada vazia nua dão ferida e esquecidas separadamente sobre rasgo e derruba suas cortinas Férreas de opressão que eu sorrio   
Eu sorrio e escrevo com dedos saltados por tiras de fraternidade de homem que se lembra eu era você 30 anos passado eu sorrio   
Eu sorrio para a alma que se abandonou que eu sorrio   
Eu sorrio, enquanto gritando Darius, Cyrus, Khayyam, Rumi, Hafez, Ferdosee, que Farokhzad onde são você ver suas crianças estão caindo como o tiro de borboleta pelas mãos dos irmãos deles/delas que eu sorrio,   
Eu sorrio como as armas deles/delas arranque as flores bonitas de seu Golestan Sadi, sacrificadas no nome de Deus que eu sorrio,   
Eu sorrio e grito, o que Deus que é Deus mata, deixe só seu próprio.   
Se o direito escolha ones próprio destino é tanto então me pedir rejeite seu Deus e eu ainda sorrio.   
Eu sorrio porque eu vejo claramente como a pessoa pode ver por água que o dia virá quando os atormentadores de amor unirão mãos uma vez mais em celebração e canções será tida notícias das ruas era uma vez tulipas vermelhas se deitadas e o rouxinol voará livre uma vez mais de sua gaiola.   
Porque nós somos os leões e o sol está atrás de nós.   
Eu Sorrio -   
Por Fariba Safai   

No hay comentarios:

Publicar un comentario